foto: Jonas Rosa Cardoso

Por que você acordou hoje?

Ao acordar você se dá boas-vindas primeiro, antes de dar boas-vindas ao mundo? Considerando que você é inconsciente, você tem desejos seus?

Seus desejos o movem ou o deixam no mesmo lugar?

Qual o fundamento da sua existência?

Como podemos conviver melhor?

É possível Saber?!

Essas e tantas outras perguntas estimularam a todos os que participaram da 8° Jornada Tempo de Ser. Em mais um ano, educadores de essencialidades tiveram a oportunidade de participar de atividades que os levaram a refletir sobre como trilhar – de maneira mais consciente e integrada – o caminho para se chegar ao objetivo maior desse grupo, que é o autoconhecimento.

Para melhor seguir nesse caminho foram apresentados os Instrumentos pedagógicos: ferramentas de auto-aprendizagem. Houve treinamento sobre Ambientes do Tempo de Ser, palestras e dinâmicas que tinham como objetivo a Integração de Sistemas, já que “vivemos conectados e muitas vezes nem nos apercebemos disto”.

Neste final de semana, (03/04) de junho de 2017, na cidade de Bauru, SP, os Núcleos de Aprendizagem de Presidente Prudente, Birigui, São José dos Campos, São Paulo, Londrina, Maringá e Bauru puderam discutir sobre importância de o Homem tornar-se visível a si mesmo.

Com a palestra “A Sociedade do Saber”, descortinou-se o véu diante da constatação de que, para o ser humano, a convivência é uma submissão. O que falta em um Ser o Outro completa. A vida social é uma necessidade e precisamos nos perguntar quais estratégias de convivência usamos no dia a dia. Como somos incompletos, ganhamos forças no processo de interagir uns com os outros e essa interatividade tem suas vantagens e desvantagens. As vantagens, podemos tentar ampliar e as desvantagens, superar. “Conviver é a arte da política. Conviver é uma submissão à incompletude”. Mas é através da convivência que vão aparecer diversas estratégias. Um leque dessas estratégias é formado pelos modelos de convivência com os quais nos deparamos durante a vida.

A sociedade em que quero me colocar deve estar relacionada com o mundo que eu quero viver. Para isso preciso debruçar-me na busca por saber qual o fundamento da minha existência. “Eu preciso saber o que Sou, pois estou no mundo, e o mundo é um cenário que muda o tempo todo. Já que penso o mundo, já que penso a vida, preciso pensar a mim mesmo. E o único indivíduo que se interessa por mim… sou Eu mesmo. O maior fenômeno de todos os tempos sou Eu. Eu sou o livro que ainda não li”.

Já que a vida social é uma necessidade, a 8° Jornada Tempo de Ser terminou com um desafio a todos os Núcleos de Aprendizagem: Conectar, Manter e Expandir. Porque, na busca pelo saber, precisamos admitir nossa ignorância. Saber é aprender, viver, sentir. Quando o homem sabe, ele entendeu o mais puro significado daquilo que buscava saber. Quando o homem sabe, ele trilhou todo o percurso e aprendeu.

Com todos estes estímulos, que possamos transpor o homem constituído que nos manifesta. A vivência é o nosso patrimônio.

“Eu quero viver pela autonomia. Eu quero Saber”.

A todos os que organizaram, trabalharam e participaram, parabéns pelo tanto que aprenderam e compartilharam. Até a próxima Jornada rumo a nós mesmos.

Educadora Lilian Flores

Núcleo de Aprendizagem de Birigui.

foto: Devair Muchiutti

 

foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Devair Muchiutti
foto: Jonas Rosa Cardoso
foto: Devair Muchiutti
Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone